É COMO DANÇAR POR CIMA DE MANTEIGA / Camilla Morello

PARTE III
"QUAL É O CONTRÁRIO DA VIDA?"

 

PARTE II
"TO ANSWER THIS QUESTION, WHAT OTHER QUESTIONS MUST WE ANSWER FIRST?"

 

PARTE I
Cozinhar e comer como manifestação do furor que reside no corpo, redimindo o intuito e a sabedoria dele. Ato de amor, de rebeldia e de revolta à especialização e à racionalização da vida.

A pesquisa artística da Camilla Morello edifica-se na interdisciplinaridade entre linguagem teatral, dança e performance. Diplomada na Scuola Nazionale di Cinema em Roma como atriz, depois da licenciatura em Antropologia (Universidade La Sapienza, Roma) e dos estudos de arte, filosofia e estética (Univesité Paris 8) muda-se para Lisboa onde especializa-se no curso bienal de dança-teatro da Olga Roriz e frequenta workshops com vários artistas. Trabalhou com Tamara Cubas, Miguel Moreira, Miguel Pereira, Catarina Câmara, Maurícia Neves, Mickaël de Oliveira e Nuno M. Cardoso entre outros.

O seu primeiro solo Uma peça dançada - abordagem semi-séria do vazio foi apresentado no Teatro Black Box - Centro Cultural de Belém. Dedicou-se ao estudo exclusivo do meio fotográfico do qual resultou o projecto Enclosures e ao qual seguiu o trabalho de vídeo-arte Dissonances (Projeções – Balleteatro, Coliseu Porto Ageas). O seu último solo Urna, com o qual foi selecionada como artista em residência para o Festival Linha de Fuga 2018, estreou na plataforma Palcos Instáveis 2020 - Teatro Municipal Campo Alegre. Será apresentado em 2021 no MAPS – Mostra de artes performativas de Setúbal, e no Ciclo de Teatro e Artes Performativas Mimesis (Teatrão, Coimbra). Convidada pelo Festival Cumplicidades no âmbito do Tandem Shaml programme colaborou com os artistas Inês Campos, Mohamed Abdelkarim e Mostafa El Barrody à criação do trabalho de instalação Documenting Questions.

plataforma.uma@gmail.com

LOGO-verde_mini